No Final do Corredor

histórias, experiências e lições de vida

26 de julho de 2018
Ana Lucia Coradazzi

8 comments

É só por ela

Sempre que ouço alguém falar sobre a Gabriela*, me vem à memória o dia em que a conheci, no Pronto-Socorro, quando ela chegou ofegante e extremamente debilitada, com uma grave infecção pulmonar associada a uma embolia. Lembro bem de vê-la, de longe, lá do posto de enfermagem, enquanto o residente me falava sobre como ela tinha chegado grave, e sobre as dúvidas de todos quanto à indicação de entubá-la e colocá-la num respirador artificial devido à insuficiência respiratória. A dúvida vinha do fato da Gabi ter um diagnóstico de base muito grave, um câncer de mama metastático do tipo “triplo negativo”, e para o qual já tinham sido tentados diversos esquemas de quimioterapia, sempre com respostas não muito expressivas e temporárias. Revendo seu prontuário, com todos aqueles exames mostrando o comprometimento de todo o seu corpo pelo tumor, e a ausência de novas estratégias de tratamento realmente efetivas, nosso primeiro impulso foi dizer ao residente que colocá-la num respirador apenas prolongaria seu processo de morte às custas de mais sofrimento. Olhávamos para a tomografia do tórax e não víamos possibilidade dela conseguir sair dos aparelhos, mesmo se tratando de intercorrências agudas e potencialmente reversíveis. A doença dela era avançada demais… Mas contivemos nossos impulsos e conversamos com ela (várias vezes…) antes de assumirmos qualquer posição.

Antes mesmo que chegássemos perto, percebíamos os olhos dela procurando os nossos. Ela tinha luz naqueles olhos! Eu, que esperava aquele olhar opaco e sem vida que já vi tantas vezes em pacientes que estão perto de partir, fiquei surpresa. Minha surpresa aumentou ainda mais quando vi seu sorriso por trás da máscara de oxigênio. Por baixo do corpo judiado, morava uma alma feliz. Conversávamos com ela sobre como estava se sentindo e, apesar de se dizer cansada, Gabi não demonstrava qualquer tipo de medo, dor ou sofrimento em suas palavras e atitudes. Estava tranquila e confiante. Ela própria explicou sobre a infecção e a embolia, dizia que sabia que a situação estava delicada, mas que “o que a gente tem que passar ninguém passa pela gente”(outro sorriso). Mas sorriso aberto mesmo eu vi quando perguntávamos qual era a coisa mais importante da sua vida. A resposta era imediata, sem pestanejar: a filha Letícia*, de 11 anos. Letícia era sua luz, sua razão de viver, e o motivo pelo qual Gabi estava disposta a enfrentar qualquer tipo de desafio, até mesmo ser colocada em aparelhos para respirar, ainda que com chances mínimas de conseguir sair daquela situação. Se houvesse a possibilidade, por menor que fosse, de ficar mais algum tempo com a filha, ela queria tentar.

As palavras dela, tão dolorosas de ouvir, eram amenizadas pela doçura com que eram ditas. E a serenidade dos seus olhos não deixava dúvidas de que ela sabia exatamente o que gostaria que fizéssemos. Combinamos que tentaríamos ao máximo não colocá-la em aparelhos, mas que se isso fosse necessário, seria nossa conduta. Os dias se passaram, e contra todas as expectativas Gabi melhorou. Embora tenha precisado de ventilação artificial, utilizamos uma técnica não invasiva à qual Gabi respondeu surpreendentemente bem, e o quadro respiratório melhorou. Ela foi de alta, para os braços de Letícia, algum tempo depois.

As semanas se passaram, e muitas vezes a vi pelo corredor do ambulatório desde então. A colega que a acompanha nos traz notícias. Conta da progressão cruel da doença, com nódulos e feridas se espalhando pela pele dela, muitas delas com sangramentos, obrigando Gabi e estar sempre enrolada em curativos. Fala da piora visível no estado geral, do emagrecimento, da debilidade. Mas, por mais que saibamos o quanto a doença salta à vista de todos, ao olhar para Gabi só vemos uma pessoa grata, feliz por cada minuto que consegue ter ao lado da filha. Grata por não sentir dor, o que permite que ela possa passear com Letícia, assistir a um filme com ela ou apenas bater um papo na cozinha. Grata por ainda conseguir ficar em casa, e assim não atrapalhar os estudos da filha com internações prolongadas. Grata por ter a chance de contar à filha o quanto a ama e ensinar a ela seus valores mais sagrados. Gabi agradece por cada minuto de vida.

Nenhum de nós sabe quanto tempo elas ainda terão juntas. Ninguém imagina como será o final, qual será o evento fatal que obrigará as duas a se despedirem dessa vida. O que aprendemos, com a boca aberta e o coração aquecido, é o quanto o significado da nossa vida é importante para que possamos suportar o sofrimento. Estar em contato com o que nos é valioso. Escolher agradecer pelo que temos em vez de lamentar o que perdemos. Entender que nossa vida é temporária, mas o que fazemos dela é eterno. Eterno como os laços entre a Gabi e a Letícia, que nenhum sofrimento físico consegue desatar.

*nomes fictícios para preservar a privacidade da paciente e da filha

8 respostas para ‘É só por ela

  1. Maldito cisco que caiu no meu olho…

    Curtir

    • Vivo com esses ciscos nos olhos, Vivi… rsrsrs

      Curtir

      • Acredito que esses ciscos fazem a diferença entre MÉDICOS e médicos. MÉDICOS que, como você, sentem, se emocionam, riem, escutam, consolam. MÉDICOS que não são robôs e tratam as pessoas como seres de carne, osso, sentimento e história. E mais importante: MÉDICOS que entendem a finitude da vida e que não querem ser Deus.
        Os pacientes agradecem…

        Curtir

      • Eu é que sou imensamente grata pela oportunidade de fazer o que eu faço. Tive professores (na escola e na vida) que não têm preço. Bj!!!

        Curtir

  2. Como sempre me emocionando!!

    Curtido por 1 pessoa

  3. Adoro ler seus textos querida , despertam em mim mais e mais vontade de ajudar meus pacientes além do cuidado técnico

    Curtir

    • Ultrapassar a barreira do cuidado técnico é algo que traz benefício não apenas para os pacientes, Mô, mas também (e principalmente) para nós médicos. É uma forma poderosa de darmos um significado mais valioso às nossas vidas pessoais. Muito bom saber que esses textos despertam esse sentimento em você!!!! Bjo!!!

      Curtir

Deixe um comentário

Required fields are marked *.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: