No Final do Corredor

histórias, experiências e lições de vida

7 de junho de 2015
Ana Lucia Coradazzi

4 comments

Quando as palavras doem

Holley Rothell Kitchen

Há alguns dias assisti ao vídeo de Holley R. Kitchen, uma americana que aos 39 anos teve diagnóstico de câncer de mama, e algum tempo depois recebeu a desapontadora notícia de que a doença tinha retornado, comprometendo sua coluna. No vídeo ela conta, através de frases escritas em pequenos cartões, sobre seu objetivo de ensinar as pessoas a se comportarem diante de alguém que tem um diagnóstico de câncer, em especial metastático (e portanto incurável). A história de Holley não é nada diferente das histórias de milhares de mulheres, em todas as partes do mundo. As mensagens em seus cartões também não são nenhuma grande novidade. E mesmo assim seu vídeo já foi visualizado por mais de trinta milhões de pessoas, em todo o mundo.

Enquanto eu assistia ao vídeo, eu me lembrava das centenas de mulheres que conheci e que, como Holley, foram obrigadas a passar pela experiência nada desejável de ter uma doença incurável.  Cada uma delas vive a experiência de uma forma muito pessoal e íntima. Os sentimentos que uma situação como essa provoca são infinitos: do medo extremo à força inexplicável, da angústia ao conformismo, do desespero à confiança e à fé. Mas não me lembro de nenhuma que tenha se mostrado indiferente à reação dos outros diante de sua doença. Foi esse o sentimento que Holley trouxe à tona em seus cartões rabiscados. Ela descreve, de forma simples e objetiva, as reações que podem realmente machucar alguém com um diagnóstico tão sério. Revela, do seu jeito bem-humorado e otimista, o impacto nefasto de frases como “Nossa, mas você é tão jovem…”, ou “Minha mãe morreu disso… foi horrível.”, ou ainda “Os médicos já descobriram a cura do câncer, mas mantêm em segredo para continuar ganhando dinheiro”. Ela ensina o que não deveria precisar ser ensinado: como respeitar a fragilidade dos outros.

 

Fiquei pensando no que leva uma pessoa a fazer um comentário como “Mas o que você fez para ter uma doença como essa?”, ou outros tantos comentários infelizes que as pacientes contam, magoadas e decepcionadas. Mas o que parece crueldade provavelmente não passa de uma forma de se defender do sofrimento alheio, não mais que um sinal da fragilidade da própria pessoa. O alívio secreto que sentimos quando ouvimos as tragédias pessoais de alguém é humanamente “normal”. Algo como “Puxa, ainda bem que não é comigo”. Normal. O problema aqui é que nem sempre o que é normal pode ser considerado aceitável. O fato de nos sentirmos mais seguros e afortunados com o sofrimento dos outros deveria ser motivo mais que suficiente para lutarmos contra esse sentimento mesquinho e nos reeducarmos do ponto de vista emocional. Não por ser politicamente incorreto, ou espiritualmente recriminável, mas porque esse tipo de atitude machuca outros seres humanos. Nada que possa magoar, ferir ou humilhar outras pessoas pode ser encarado como “normal”, mesmo que 99% das pessoas sinta o mesmo. Não é normal, é um desvio emocional.  E, como todo desvio humano, pode ser corrigido. Uma das formas mais simples é a auto-vigilância constante, através da qual aprendemos a identificar um sentimento egoísta ou uma atitude mesquinha imediatamente, bloqueando sua execução. E, claro, o bom e velho exercício da empatia é sempre bem-vindo. Nenhuma capacidade humana é mais admirável que a de se colocar no lugar do outro.

Assim, da próxima vez em que você se deparar com uma pessoa com diagnóstico de câncer, ou com uma limitação física, ou que esteja em qualquer situação de “desvantagem” em relação a você, lembre-se das lições da Holley, e pense primeiro no que você gostaria de ouvir se estivesse na situação dela. E, se as palavras lhe faltarem, não se desespere: um silêncio sincero e empático pode ser mais valioso do que um milhão de palavras ditas sem pensar.

4 thoughts on “Quando as palavras doem

  1. Também fiquei bastante chocada com o que tinha que ouvir: e os filhos? e o barco? porque isso foi acontecer com você que é tão boa?
    Mas sempre tinha uma pessoa que me abraçava fortemente e nada falava…. e isso para mim era o maior conforto, era como me carregar no colo ou andar comigo de mãos dadas no desconhecido caminho do câncer.
    Uma frase que a maioria das pessoas costumam falar é ” Se Deus quiser… você será curada” bem complicado para uma pessoa com câncer metastático!!!!
    Uma vez em um grande supermercado, na fila do caixa, véspera de um feriado, um casal na minha frente com um filho adolescente com diversos problemas físicos e mentais olhou para mim, eu sorri e recebi dele um abraço muito forte e demorado, correspondi á altura e curti toda a energia desse abraço, mas os pais ficaram desesperados tentando desfazer o abraço justificando que isso é muito constrangedor…..Mostrar, falar também é uma forma de educar.

    Curtir

    • Pois é, Fri, é uma queixa tão comum entre os pacientes oncológicos, e poucas pessoas sabem como lidar com isso. Acho que no Brasil esse problema é um pouco mais evidente, porque temos duas características muito marcantes: as dificuldades com a aceitação do que é diferente (vide tantos preconceitos!) e a nossa personalidade “emocional” em demasia. Mas também vejo muitos progressos, que começam com campanhas contra preconceitos de forma geral, e continuam através da disseminação de informações a respeito do câncer e dos pacientes.

      Curtir

    • Penso minha querida , que os gestos , são as melhores formas de se expressar , primeiro porque mesmo que vc já tenha passado pela experiência pessoal c o câncer , cada história é única , cada experiência é única , por outro lado , não somos educados a lidar com finitudes , falo da relação que as pessoas fazem entre câncer e morte , se não olho a morte de maneira tranquilla , todos serao inseguros c comentários a respeito do câncer . Ai começa a cadeia de erro . Como paciente me vejo sem esperança e como conselheiro , me vejo perdido . Temos que começar a perceber que a doença vem para curar .. Que cura q estamos falando .. O entendimento da vida , a individuacao , a historia que Podemos tirar a partir disso , para aí sim receber e ensinar .. Na falta de entendimento , temos q parar e procurar ajuda profissional ( terapia ) para ter equilíbrio , entendimento e não se importar c o que vem de fora , Pq a essência está formando quem sabe a cura vem de outra forma . Não sabemos . Temo muito em encontros de apoio , troca de experiências etc .. Acho importante primeiro a estrutura pessoal . Que cada uma das pessoas que tenham câncer , ou qualquer outra doença crônica , perceba o que a vida está te impondo ou presenteando para seguir adiante . Um beijo . Nubia

      Curtir

      • Obrigada pelos comentários, Núbia. Eu nunca tinha pensado por esse ângulo: que a doença vem para curar. Acho que você pode estar certa. Talvez funcione como uma estratégia “de choque”, quando não aprendemos o que deveríamos de forma espontânea. Talvez às vezes seja necessário passar por uma experiência complexa como uma doença grave para despertar e valorizar a vida. Obrigada, querida!

        Curtir

Deixe um comentário

Required fields are marked *.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: