No Final do Corredor

histórias, experiências e lições de vida

17 de julho de 2016
Ana Lucia Coradazzi

5 comments

A boa morte, e a minha avó

Vó Helena

No início deste mês foi publicado um artigo de Jordan Rosenfeld, no site http://theamateursguide.com, intitulado “As 11 qualidades de uma boa morte, de acordo com as pesquisas”. O texto básico, livremente traduzido, dizia o seguinte:

________________________________________________________________________

“Cerca de 9 anos atrás, recebi o telefonema de minha mãe adotiva me convocando para comparecer à casa da minha avó. Aos 92 anos de idade, ela já tinha perdido a maior parte da visão e audição e, com isso, o prazer que ela tinha em ler e escutar músicas. Ela passava a maior parte do seu tempo numa cadeira de rodas porque pequenos derrames cerebrais a tinham tornado propensa a quedas, e ela nunca ficava muito confortável na cama. Agora ela tinha dito à sua cuidadora que ela estava “pronta para morrer”, e nossa família acreditou que era exatamente o que ela queria dizer.

Eu cheguei a tempo de passar um dia inteiro ao lado de sua cama, junto com outros membros da família. Nós lhe dissemos que ela estava livre para partir, e ela se foi tranquilamente naquela noite. Aquilo foi, eu acredito, uma boa morte. Mas, além dessa experiência, eu nunca tive muita noção do que seria ter paz no final da vida para outras pessoas.

Um estudo recente publicado no American Journal of Geriatric Psychiatry, no qual foram coletados dados de pacientes terminais, familiares e profissionais da saúde, buscou esclarecer o que seria uma boa morte. A revisão da literatura identificou 11 temas centrais associados a morrer bem, citados em 36 estudos:

  • ter controle sobre o processo de morrer
  • não sentir dor
  • envolvimento com religião ou espiritualidade
  • experiência emocional de bem-estar
  • ter a sensação de missão cumprida ou legado
  • poder escolher tratamentos de sua preferência
  • ter dignidade no processo de morrer
  • ter a presença da família e se despedir
  • qualidade de vida durante o processo de morrer
  • boa relação com os profissionais da saúde
  • outros (como questões culturais específicas, ter animais de estimação por perto, custos com a saúde, etc.)

Identificando os fatores que tendem a estar associados a um processo tranquilo de morte, essa pesquisa tem o potencial de ajudar a nos prepararmos melhor para a partida daqueles a quem amamos – e para a nossa própria.”

________________________________________________________________________

Ao ler o artigo descrito acima, minha avó me veio à mente. Aos 99 anos, ela está hoje hospitalizada, em uma UTI de um grande hospital. Minha avó sempre foi incrivelmente ativa, de personalidade forte, e todos nós nos acostumamos a fazer as coisas do jeito dela. Há alguns anos, no entanto, ela passou por um câncer de mama e, logo depois, teve vários derrames cerebrais (AVCs), que a deixaram cada vez mais dependente. Minha avó perdeu boa parte da visão, da audição, da memória e da capacidade de se mover sozinha. Precisava de ajuda inclusive para se alimentar, ficando acamada ou sentada o tempo todo, e mostrando-se confusa e até agressiva em muitos momentos. Eu olhava para ela e tinha certeza de que, se ela pudesse escolher, não estaria levando aquela vida.

Há algumas semanas ela foi internada para tratamento de uma infecção urinária e, durante a hospitalização, apresentou um severo rebaixamento do nível de consciência, deixando de responder a qualquer estímulo. A equipe de emergência foi chamada pela enfermeira responsável e, conforme o protocolo do hospital, ela foi levada para a UTI e entubada. Provavelmente ela teve seu quarto AVC. Não recobrou a consciência até hoje, mesmo sem qualquer sedativo, e a equipe de saúde tentou várias vezes retirá-la do respirador artificial, sem sucesso. Minha avó não está mais ali. Ela já se foi. O que ficou foi seu corpinho frágil, ao qual não foi permitido descansar em paz.

Tenho pensado muito, todos esses dias, em como somos terríveis em nos preparar para esses momentos finais. Mesmo eu, com toda a formação acadêmica e experiências sem fim com pacientes terminais, não fui capaz de ter uma conversa clara com a equipe de saúde que estava cuidando da minha avó. Não me ocorreu, nem por um instante, que ela poderia ter uma intercorrência como essa e que seria importante que todos soubessem o que gostaríamos que fosse feito: respeitar seus momentos finais e deixá-la ir. Eu pensei apenas na infecção urinária, algo banal que provavelmente não mudaria nada na vida da minha avó. Inacreditável que nem sequer tenha me passado pela cabeça o fato de que ela já tem 99 anos, três AVCs prévios e uma qualidade de vida pra lá de indesejável. Simplesmente não fui capaz de lidar com isso a tempo. Nem eu, nem qualquer outra pessoa da família. Nem tampouco alguém da equipe de saúde. Estávamos tão acostumados a vê-la sair de situações difíceis que superestimamos sua longevidade. Mas o fato é que até os longevos chegam ao fim.

De todas as 11 qualidades de uma boa morte, talvez minha avó tenha tido acesso apenas à ausência de dor. Não pudemos oferecer a ela mais que isso. O que estamos esperando para realmente modificar nossa forma de lidar com a finitude? Por que não conseguimos nos embrenhar nesse desafio e vencê-lo de uma vez por todas, passando a tratar a morte como o que ela realmente é: parte da vida? Qual o motivo de não conseguirmos mudar de forma significativa nossos protocolos clínicos, que incluem entubações desnecessárias, terapias inúteis e procedimentos pouco vantajosos (ou até deletérios)? Por que não conseguimos nos comunicar melhor quando a morte nos ronda?

Eu não tenho essas respostas. Provavelmente não existem respostas únicas ou assertivas o suficiente. O fato é que, sentada aqui escrevendo sobre o quanto os dias finais da minha avó serão o oposto do que ela desejaria que fossem, meu coração se aperta, e sinto que há muito mais a fazer do que eu pensava. A começar por mim mesma.

 

5 thoughts on “A boa morte, e a minha avó

  1. Sinto muito pela tua perda e parabenizo pela teu relato .Precisamos rever nossas ações , falar das nossas perdas para desenhar melhor nossas ações de familiares.

    Curtir

  2. CUIDADOS PALIATIVOS

    existe um cuidado especifico que trabalha todas essas questões, porém, no Brasil ainda estamos engatilhando nessa modalidade de assistência que tanto beneficia pacientes que estejam na terminalidade da vida. Precisamos de uma equipe multiprofissional especialista nessa área, para só assim, realmente promover a boa morte e iluminar a vida. Sua historia é igual a tantas outras que já presenciei, mas acredito que vamos conseguir, tenha fé e continue lutando por isso!!!

    Uma bibliografia excelente nessa área é o MANUAL DE CUIDADOS PALIATIVOS da ANCP (academia nacional de cuidados paliativos).

    Curtir

    • Obrigada, Luis! Conheço bem o manual da ANCP, trabalho com Cuidados Paliativos há bastante tempo. A angústia, em relação à minha avó, foi justamente por isso. Eu não pude evitar que acontecesse com ela o que sempre evito fazer com meus pacientes. Obrigada pelas palavras, o conforto que vem delas é imenso! Um abraço!

      Curtir

      • Dra.Ana, não é fácil ver quem amamos partir…tive a honra de cuidar da minha amada e preciosa avô num quarto de hospital por 15 dias até o momento da sua morte. Fazem 10 anos e a poucos anos é que aquela imagem foi aliviando da minha mente. Ver quem amamos morrer é muito duro, mesmo compreendendo a finitude, dá uma sensação de impotência. Até hoje me pergunto se teria sido melhor se ela estivesse numa UTI…por outro lado lendo seu texto entendo que ficar isolado dos seus queridos não ajuda muito. Concordo com sua opinião, chega ser desumano…porém é preciso estarmos preparados para assistirmos…mas certamente é mas digno e enriquecedor para o paciente. Como meu exemplo, que durante esse período fiz um louvor pra ela e entre lágrimas levar algum alento a sua alma. O que posso dizer para confortá-la vou repetir o que ouvi a época… “Não se Culpe, quando fazemos por amor”

        Curtir

      • É difícil mesmo, Rosângela. Esse é o grande desafio: oferecer aos pacientes e familiares uma opção à UTI (que seria um bom suporte multiprofissional, como pregam os Cuidados Paliativos). Sem dar uma opção razoável, a única saída que resta à família é a internação nas UTIs. É um problema difícil de resolver, mas o caminho já está bastante claro. Um abraço!

        Curtir

Deixe um comentário

Required fields are marked *.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: