No Final do Corredor

histórias, experiências e lições de vida

11 de dezembro de 2016
Ana Lucia Coradazzi

64 comments

A UTI dos idosos

idoso-na-utiEla tinha 99 anos, três derrames cerebrais e um câncer de mama em sua história de vida. Uma pneumonia seguida de rebaixamento permanente do nível de consciência (por um provável quarto derrame) a levaram à UTI, onde permanecia o tempo todo inconsciente e dependente de aparelhos para respirar, e com a desanimadora chance de menos de 1% de terminar seus dias fora dali. Não seria tão espantoso se ela fosse um caso isolado, que tinha ido parar ali por acidente, por uma avaliação médica apressada ou pela insegurança dos familiares. Mas não era. Bastava olhar para os leitos ao seu redor para entender que algo muito errado estava acontecendo.

O paciente à sua frente tinha quase 90 anos e um câncer de próstata avançado, com metástases ósseas disseminadas, tão magro que podíamos perceber seus ossinhos em saliências sob o lençol. Ao seu lado, uma senhora de 87 anos com insuficiência renal crônica, dependente de hemodiálise, que tinha evoluído com mais um edema pulmonar (era a quarta vez que era internada na UTI nos últimos 4 meses). Ela respirava com a ajuda de aparelhos há mais de uma semana, sem qualquer indício de que um dia poderia se livrar deles. Do outro lado, outro senhor idoso, por volta dos 90 anos, padecia de uma insuficiência cardíaca tão grave que não era possível retirar drogas vasoativas (medicações endovenosas administradas continuamente para que o coração pudesse exercer minimamente seu trabalho). Ele provavelmente nunca retornaria para sua casa, ou mesmo para um quarto comum no hospital. E era assim, dia após dia, que presenciávamos idosos com doenças irreversíveis sendo colocados na UTI para que suas vidas fossem preservadas por mais tempo. A qualquer custo.

Esse não é um problema brasileiro, e sim mundial. Quanto mais tecnologia disponível, maiores as chances de um idoso com uma doença grave terminar seus dias numa UTI. Não se trata de preconceito contra idosos, e nem de tentar reservar vagas de UTI para pacientes mais jovens. A questão é que a UTI, por mais moderna que seja, não pode oferecer a esses pacientes (e aos seus familiares) o que eles realmente esperam: uma vida aceitável de volta. Essas pessoas acabam se vendo inconscientes, com tubos por todos os lados, longe de tudo o que lhes é mais caro, por não oferecermos a elas o que realmente precisam: a compreensão de que suas vidas estão chegando ao fim e que a Medicina não poderá reverter esse quadro. Não é crueldade ou frieza, pelo contrário: é preciso ter uma enorme compaixão e uma preocupação genuína com o bem estar dos pacientes terminais para iniciar uma conversa que lhes permita escolher se é realmente assim que eles querem passar seus últimos dias. É preciso coragem.

Uma revisão recente realizada por especialistas da University of New South Wales, na Austrália, descreveu que cerca de ⅓ dos pacientes terminais receberam tratamentos que não lhes proporcionaram qualquer benefício. Cerca de 77% receberam antibióticos desnecessários, tratamentos cardiovasculares, digestivos ou endocrinológicos não benéficos, diálise, radioterapia, exames desnecessários ou mesmo quimioterapia. Exames foram realizados até mesmo em pacientes com desejo expresso de não serem ressuscitados, caso apresentassem uma parada cardíaca.  Nada disso impediu que os pacientes viessem a falecer. Na verdade, a percepção geral é de que alguns desses tratamentos até mesmo aceleraram sua morte. Um cenário desolador.

Estima-se que metade dos idosos que morrem em UTIs poderia ter passado seus últimos dias em suas próprias casas, com maior conforto, e com o mesmo tempo de vida. A maior parte deles recebe tratamentos desnecessários por insistência de seus familiares, e não há muito o que os médicos possam fazer diante de uma família desesperada que se sente responsável pela preservação da vida de um ente querido. Médicos têm em suas mãos uma tecnologia quase infinita para manter corações batendo, rins funcionando, ou pulmões cumprindo sua missão. A questão é que manter um corpo em funcionamento nem sempre é sinônimo de preservar uma vida.

Aos 99 anos, ela entrou para essa triste estatística. Foram quase 40 dias de UTI, sem uma palavra, um abrir de olhos, uma despedida. Exatamente como muitos dos idosos que foram seus vizinhos durante esses longos e difíceis dias. Dificilmente a solução para essa realidade assustadora será rápida ou simples. Ela envolve uma compreensão ampla e contínua, tanto dos pacientes quanto dos familiares e médicos que os rodeiam, de que não é necessário lutar ferozmente contra a morte quando ela é inevitável. É mais inteligente e humano aceitá-la como parte da vida, e procurar ressignificar cada um dos nossos momentos finais. É mais coerente gastar nossas energias finais deixando legados, exprimindo nossos sentimentos para quem realmente os merece, priorizando o que nos é valioso. São essas as coisas que dão sentido às nossas vidas, e não o tempo em que mantemos nossos corações batendo.

UTIs são incríveis para um grande número de pacientes, que têm suas vidas restauradas e devolvidas, permitindo que voltem intactos para suas famílias e desfrutem de anos junto delas. Mas são terríveis e cruéis para aqueles que já cumpriram sua missão e cujas vidas não podem ser consertadas por tubos, drogas e aparelhos. Elas simplesmente não foram feitas para isso.

 

 

64 thoughts on “A UTI dos idosos

  1. Achei forte e verdadeiro. …
    Por todas essas razões preferimos deixar minha mãe em seus últimos dias em casa, rodeada por filhas , genros aproveitando para se despedir de quem realmente já tinha cumprido sua missão de uma maneira majestosa. …
    Sim é difícil se despedir de quem amamos….mas existem casos que nem se tem essa chance….e ela se foi como um anjo….e nós ficamos com a saudade e lindas lembranças. .
    Adorei Dra.Ana Lúcia. …me avise qdo sair o próximo livro….
    Bj no coração. .

    Curtir

    • Pois passei por isso, vendo minha mãe finalizando pedindo para vir para casa, dias de uti,depois a trouxemos para casa , com dificuldades de se alimentar ,usando sondas foi terrível ,veio falecer dias após sofrimento em ut. Quem escreveu este texto esta correto,infelizmente dificil aceitarmos ,mais o correto de ser feito.lamento

      Curtir

    • Belo texto. É o que nós, geriatras, achamos. Temos muita distanásia, muito sofrimento desnecessário, por nosso amor mesquinho. Parabéns pelo texto!

      Curtir

      • Também acho muito egoísmo manter alguém vivo por decisão dos que estão fora dá UTI . Cumpriu sua missão só temos que rezar que faça sua partida em paz.

        Curtir

    • E foi assim que ajudei minha mãe a partir, já na altura de seus 87 longos, valiosos e honestos anos vividos, criando 6 filhos e alguns netos, com inteligência e sabedoria para alguém minimamente letrada. Internada na UTI de um hospital, era mantida inconsciente e precariamente viva por ordem e conta de interesses econômicos, já que o seu plano de saúde tudo cobria. Lá pelo quadragésimo dia no local, por acaso, fui o escolhido para visitá-la. Justamente naquele momento presenciei um enfermeiro dando-lhe choques no peito que fazia seu corpo saltar sobre a cama, emitindo desesperados Söns que ainda hoje repercutem em meus ouvidos. Tomado por coragem singular, bradei em alto e bom tom que retirassem naquele momento aquela parafernália torturante… Horas depois passava minhas mãos por aquele rosto inerte e angelical, que esboçava uma serenidade encantadora, própria de quem viveu vida exemplarmente honesta . Descanse em PAZ minha doce e querida mãe Zilda Rocha Mundim.

      Curtir

    • Coerente em seu conteúdo é realmente isto acontece todos os dias. Poucas são as famílias que conseguem ter este entendimento e sentimento.

      Curtir

      • Um belo testo para refletir-mos quem somos, somos apenas seres humanos de passagem, portando devemos ter mais amor com nossos irmãos independente de seus credos, sua cor porque sempre serres humanos.

        Curtir

    • Obrigada pelos comentários, Lene! Nunca é fácil se despedir, mas negar a realidade pode ser ainda mais doloroso, né? Bjo, querida!

      Curtir

    • Existem três formas de morrer:a Ortotanásia, eutanásia e a distanásia. Aqui são descritos casos de distanásia, prolongar a vida artificialmente, a qualquer custo, onerando a família, a sociedade e tirando a chance de salvar pessoas reciperaveis.Vale só a Ortotanásia, morte natural, sem artifício que prolongue o sofrimento.

      Curtir

      • Exatamente, José Mariano! Os paliativistas lutam para que todos os pacientes tenham direito à ortotanásia, e muitas pessoas confundem o termo com a eutanásia (que não tem NADA a ver com ortotanásia). Obrigada pelos seus comentários!

        Curtir

  2. Após digerir a informação de que meu pai teria alguns dias de vida, em meio a lágrimas, foi essa a nossa decisão. Pedi apenas que não tivesse sofrimento nem físico, nem emocional.

    Curtir

    • É uma decisão difícil e amarga, Yasmin, mas ignorar que aquela pessoa que amamos está partindo me parece ainda mais triste. Ãs vezes somos cruéis até. Decisões como a de vcs exigem amor, coragem e lucidez. Um grande abraço!

      Curtir

  3. Muito obrigada por esse texto! É exatamente tudo que sempre pensei e questionei na faculdade. Sou aluna de Medicina indo pro Internato e sinceramente não compreendo porque muitos médicos não pensam assim…

    Curtir

  4. Verdade João, eu tive a felicidade de minha mãe ter entrado num CTI sem
    Esperanças porém encontrou uma equipe onde estava vc, que lutaram para salvá-la, ficou muitos dias mas foi uma vitória, mas nesses casos é melhor ficar em casa com seus entes queridos, pois uma UTI, fatalmente não vai resolver esses problemas infelizmente, pois temos nosso tempo aqui nessa vida. Vc é brilhante.

    Curtir

  5. Trabalho a 14 anos com idosos e é a isso que me refiro sempre . Trabalho a finitude dos meus idosos junto às famílias e vejo assim como o nascimento a partida um momento ímpar …. Só quem vive e convive para saber como é grandioso a partida ! Lindo de morrer !!!!

    Curtir

  6. É verdadeiro !
    Mas não precisa fazer uma PEC do Limite pra isso tambem !

    Curtir

  7. Trabalho com internação domiciliar e muitas e muitas vezes vemos a família com esse dilema, querem internar na esperança de ter melhora ou por medo de ter deixado de fazer algo. O óbito domiciliar, para alguns, ainda é. Sinal de negligência.

    Curtir

    • Essa é uma realidade dura, Sirlei, e não é só brasileira. Mesmo nos países em que o óbito domiciliar é uma realidade há mais tempo ainda existe esse preconceito. Mas essa compreensão vem melhorando! Um abraço!

      Curtir

  8. Maravilhoso o texto! Obrigada pela reflexão.

    Curtir

  9. Realmente verdadeiro e consequentemente de uma pureza muito bela!!

    Curtir

  10. Eu vivi essa triste realidade no hospital do idoso onde trabalhei como psicóloga. Me cortava o coração ao ver meus lindos pacientes sendo transferidos para UTI e lá terminavam seus últimos dias numa solidão terrível. Mesmo sem falar, era visível no olhar vazio o pedido de socorro: “…me deixa partir perto das pessoas que amo, perto das minhas coisas”…

    Curtir

  11. OK. Perguntem ao Dr. Reinaldo Flavio Costa Ramalho se conhece esta Senhora…

    Curtir

  12. Concordo totalmente com o texto. Hoje o que vemos nos internamentos em UTI é exatamente o contrário do que prega o texto. As famílias que não souberam cuidar de seus parentes idosos em vida querem um alívio para suas consciências quando os vêm indo embora e querem compensar o seu débito com os aparelhos e drogas modernas. Os médicos ficam com medo dos processos. Os hospitais (privados) têm nestas unidades grande fonte de lucro, e o falido SUS uma fonte de despesa sem fim. Assim, Uti’s passaram a ser uma unidade de pré-velório, e a morte natural é interpretada como erro médico. Sugiro uma estatística do índice de óbitos em UTI levando em consideração a idade dos pacientes. Vai confirmar o conteúdo do lúcido texto.

    Curtir

  13. Na verdade estamos neste mundo de passagem… nascemos, vivemos e morremos. Vamos embora, viemos sem nada e vamos sem nada dos bens materiais. Procuremos sempre viver com honestidade, amor ao próximo e com profunda convicção de sempre estarmos sendo dignos!

    Curtir

  14. Acho muito egoismo nosso, tentar manter ao nosso lado uma pessoa idosa sofrendo. Minha mãe faleceu em casa. Não sofreu com tubos, etc. É muito dolorido, a despedida e a saudade quase matam a gente por dentro. O coração arrebenta. Mas hj estou feliz por ela não ter sofrido todos esses traumas.

    Curtir

  15. Poder suportar a morte de um ente amado é uma prova de amor. Quando a vida está finalizando, respeitemos esse tempo…deixe o seu doente perto de vc e o ajude a morrer em paz, cercado do carinho dos seus.

    Curtir

  16. Devemos de lutar pelo direito a eutanásia, sugiram que assistam o filme “Escolha de Vida” baseado em uma história real, nos a inteira dimensão de como devemos agir, na espontaneidade de nossos compromissos com a vida que só a nós pertence e sem pieguismo.

    Curtir

  17. Vivenciei a experiência com meu pai a 6 anos atrás; internado com Hupe.com uma cirrose hepática em fase terminal; pedi a médica que colocassem no soro; sonda de alimentação e não fizessem mais nada.que Deus resolveria .

    Curtir

  18. Belíssimo ,
    Puro , verdadeiro e honesto .
    O mundo seria muito melhor se todos pensassem Assim .
    Meus sinceros parabéns pela bondade de seus pensamentos e por um texto magnífico .
    Quiz fazer exatamente o que você faria , ‘mais a família não permitiu .

    Curtir

    • É verdade, Fernanda… ainda temos muito o que caminhar em relação a como devemos nos relacionar com os pacientes e com as famílias. Mas estamos progredindo bastante. Uma Medicina mais humana e focada no paciente, não na doença,já é realidade em muitos locais. Um abraço!

      Curtir

  19. Pouco relevante o tema perto da seriedade do fato “morte”, mas compreensível para o que são problemas de saúde pública. Para cada um creio que o que deva ser focado na matéria seja a humilhação da chegada do dia de sua morte com o comprometimento de suas faculdades mentais, de sua cognição…. isso é o que deve ser discutido, pois não há nada, nada mais terrível do que ver a mente de quem amamos destruída num leito, seja onde for. Porque o corpo pode parar, mas se a mente pára antes, aí não resta esperança alguma para o depois, e isso sim é de fazer chorar e tremer. Cuidem de sua mente e ajude a cuidar das mentes dos que mais ama. sabendo que se não haver “na cabeça” alinhamento de pensamentos com as verdades absolutas estabelecidas pelo Criador, sua mente perecerá. Busque verdades do referencial do Criador e largue seus achismos e visão soberba sobre o que pensa ser o certo ou errado (pq vc não tem absolutamente NADA de criador), e sua mente talvez terá condições de transpor o último inimigo (a “morte”). Isso é relevante.

    Curtir

  20. Quem pode nos dizer se a não ação não gerará uma agonia ao nosso ente ainda pior que nossa ação pelo não sofrimento?
    Eis a questão…

    Curtir

    • Exatamente, Fernando, eis a questão. É por isso que hoje temos as chamadas Diretrizes Antecipadas de Vontade, nas quais os próprios pacientes determinam, com antecedência, que tipo de procedimentos estão dispostos a tolerar, onde gostariam de passar seus últimos dias, com quem, e de que forma. Isso ajuda muito na tomada de decisões na fase final da vida. Se fizer sentido para a pessoa terminar seus dias numa UTI, por que não? A questão é que, para a imensa maioria das pessoas, essa é uma opção terrível de se imaginar. Por isso não há uma fórmula mágica que determina qual a melhor abordagem final para todo ser humano. Cada pessoa é única, e tem o direito de decidir sobre como viver sua vida até o final. Obrigada pelos comentários! Um abraço!

      Curtir

    • Concordo! Essa unanimidade toda me preocupa.

      Curtir

  21. Minha mãe também estava sofrendo e eu vendo fui a um canto do hospital e rezei pedindo que Deus . . a levasse . Meia hora depois fui atendido.!!!!

    Curtir

  22. E foi por isso que negamos novas sessões de quimioterapia em meu pai. Decisão difícil mas unânime entre nós da família. Seu câncer de pulmão já tinha ido ao cérebro, e meu pior dia foi qdo o médico me disse isso. Seria um sofrimento pior do que já estava. Seria uma luta em vão. E eu…sem chão!
    Ele já não comia, não andava e eu nem sequer podia mais conversar o assunto que ele abordava de anos atrás como se tivesse sido ontem. Preso em uma cama e definitivamente para mim, aquilo não era vida. Nunca mais seria sua vida. Seu ultímo mês foi cercado de carinho e cuidados em casa, após passar mais de 20 dias internado. E sua liberdade chegou. Sim, foi uma libertação!

    Minha irmã se foi pouco tempo depois. A apoiei qdo disse que não queria mais fazer quimio. Já tinham sido 13 anos de luta, ela estava exausta e preferiu viver seus últimos dias da melhor forma possível. Respeitar sua decisão acredito ser por amor. ( e agora que li ” Diretrizes Antecipadas de Vontade” tenho certeza de que sua médica Juliana sabia tb de suas intenções. Confesso que estou curiosa)

    Amamos até o fim. Além dele pois o amor permanece.

    Curtir

  23. Meu guerreiro vai fazer três meses que seu corpo físico já não está mais aqui. Foram anos de luta por conta de Mal de Alzheimer, além de ser cardiopata. Nos últimos dois anos esteve três vezes entre UTI e UCI. Após o ultimo internamento na UCI, ele conviveu conosco 14 meses onde tudo era motivo de festa. Ele que amava as festas típicas do nordeste precisava vive-las intensamente e assim foram seus dias até que no dia 04/11/2016 uma nova entrada na emergência e após sete horas ele dar entrada novamente no CTI e permanece quase dois dias. O que me conforta antes dele ter se agravado foi conversar com ele assim: Oh Coisa Rica! Eu te amo! Bença meu pai. E ele me respondeu: Eu também te amo. Deus lhe abençoe. Estas foram as ultimas palavras do meu pai para mim.

    Curtir

  24. Bom saber que muitas pessoas pensam como eu. Tenho certeza que deixar morrer dignamente, é em casa.

    Curtir

  25. Como bem já se falou é muito forte, só quem sabe o sofrimento vivido em uma UTI entenderá. Nos últimos dias de minha sogra foi permitido que retirasse tudo que não mais adiantava e que estava machucando e após alguns dias no apto ela finalmente encerrou seu testemunho de um AVC que há deixou sequelada e totalmente dependente.

    Curtir

    • Poisé, Lucicleide… são decisões muito difíceis sempre, tanto para a equipe médica quanto para a família. Por isso precisamos falar mais sobre o que desejamos para o nosso final. Obrigada!

      Curtir

    • É sempre muito difícil mesmo, Lucicleide. Quando as pessoas têm a chance de se verem livres de procedimentos, tubos e outras parafernálias que as estão “machucando”, como você disse, podemos considerar uma bênção. Normalmente não é assim. O que vemos são procedimentos e mais procedimentos na tentativa de prolongar a vida de alguém que não está mais ali, e às custas de grande sofrimento. Obrigada pelo comentário! Um grande abraço!

      Curtir

  26. Parabens Dra Ana… Excelente texto… como seria bom se todos os colegas médicos tivessem o mínimo conhecimento sobre paliatividade… o que traria consequentemente resposta imediata nas condutas medicas no que tange a dignidade humana….

    Curtir

    • Concordo, Anderson. Estamos muito longe das bases da saúde, que envolviam o cuidado individualizado e proporcional a cada condição. Mas estamos caminhando!! Obrigada pelo comentário!

      Curtir

    • Obrigada, Anderson! Os conceitos de Cuidados Paliativos, assim como de Slow Medicine (“Medicina sem pressa”) estão, felizmente, sendo cada vem mais divulgados. No futuro teremos uma medicina mais digna.

      Curtir

  27. Temos o direito de nascer e morrer com qualidade e dignidade. Manter um idoso ,em fase terminal, a uma UTI, é tirar-lhe o direito á felicidade, carinho e a presença de quem por longos anos fez parte de sua trajetória de vida.

    Curtir

  28. Peço desculpas, mas discordo em parte do que o texto apresenta.
    Passamos por isso há menos de 2 meses com nossa mãe, que foi internada na UTI e, infelizmente, faleceu. Estava com 81 anos.
    Quem poderá afirmar que uma pessoa chegou, de fato, ao final da vida? Será que esta decisão não cabe somente a ela? Ao corpo dela? Se há 1% de chance, ou menos, quem somos nós para duvidar, inclusive, que um milagre poderá acontecer e ela poderá retornar à vida que tinha antes? Quem somos nós para decidir por ela? Para abreviar um processo que é dela? Alguns dirão: “Não quero que ela sofra”, mas será que, na verdade, não estão abreviando o próprio sofrimento em lidar com a morte, com a dor?
    Difícil mesmo é aceitarmos nossa condição de humanos neste mundo, aceitarmos que há coisas que não controlamos, e a morte faz parte delas. Temos a tendência de substituir nossas inseguranças por certezas, justificativas, teorias, estatísticas…
    Acredito que a morte é sempre um mistério individual. Ninguém tem todas as respostas, ninguém está a salvo de passar seus últimos dias na UTI, ninguém está a salvo de SOFRER. Esta é a regra da vida. Incerteza sobre o dia de amanhã. Então, não me parece muito lógico ficar discutindo com uma pessoa, ou a respeito dela, sobre sua morte, supostamente, ou não, iminente, pois pode até ser que morramos antes dela. Quem é que sabe?
    Minha mãe não queria morrer. Submeteu-se aos tratamentos que lhe foram indicados na esperança de sarar, e nós, seus filhos, procuramos garantir que ela tivesse acesso a todos os recursos que a medicina disponibiliza para pessoas em sua condição. Procuramos respeitar o desejo dela de lutar pela vida até o fim. Mesmo que o médico nos alertasse de que as chances eram ínfimas. Procuramos respeitar o seu tempo, mesmo quando ele chegou ao fim, apesar de que, por nossa vontade, como pela de todos os filhos, as mães não deveriam morrer jamais.
    Respeito aqueles que tiveram uma experiência diferente da minha, que optaram, ou que gostariam de ter optado, por outros caminhos. Como eu disse, nenhum de nós tem todas as respostas, inclusive eu.

    Curtir

    • Obrigada por compartilhar sua história e seu ponto de vista, Nelly. Na verdade, o que consideramos ideal em Cuidados Paliativos não é um processo em que o médico, a família ou quem quer que seja decidam o que deve ou não ser feito, ou até que ponto devem ser feitos procedimentos para prolongar a vida de uma pessoa. O que procuramos fazer é respeitar a autonomia do paciente, estimulando que ele próprio determine, enquanto ainda tem condições para isso, quais os procedimentos e situações que el(a) acha que valem a pena para continuar vivo. Isso se chama Diretivas Antecipadas de Vontade. Conheço pacientes que deixaram claro muitas vezes, durante a vida, que preferiam morrer a levar uma vida de dependência completa, na qual não poderão tomar decisões, comer sozinhos, respirar sozinhos, etc. Se a pessoa acredita que uma situação dessas é pior que a morte, quem somos nós para obrigá-la a continuar “viva” às custas de aparelhos e tubos? Talvez isso seja, para ela, o que chamamos de tortura. Essa é a questão: não há certo e errado, o que há é a autonomia da pessoa para que decida como gostaria de terminar seus dias.

      Curtir

  29. Acredito que o caminho é a compaixão Devemos olhar o doente com carinho e nos colocarmos no lugar deles. Assistir a morte de alguém que amamos é difícil mas é possível. Deixar partir com respeito e carinho é um gesto de amor.

    Curtir

  30. texto muito interessante para reflexão, já vi autores chamando tais Utis de “catedrais do sofrimento”…. talvez um dia venham a ser proibidas para o fim de simplesmente prolongar uma semi vida.

    Curtir

  31. Acho que errei…pensando e desesperadamente desejando não perder minha mãezinha implorei aos médicos e a Deus que ela não fosse embora, eram só 69 anos e uma semana antes estávamos no shopping. São quatro anos que a minha vida nunca mais foi a mesma. Não tive a grandeza de pedir a Deus o seu descanso e mesmo diante de uma enfermidade agressiva e avassaladora na mente, no último dia em que fui vê-la na UTI não consegui lhe passar paz e tranquilidade para seguir e aceitar aquilo que não podia ser mudado, me agarrei a mão já fria da minha mãe e prometi que iria buscá-la que me esperasse e que não me deixasse. Fracassei com o amor da minha vida.

    Curtir

    • Alessandra, nós nunca fracassamos por amor. Mesmo quando tomamos atitudes que parecem insensatas, bizarras, covardes ou o quer que sejam, a motivação é sempre mais importante do que o ato em si. Não se culpe por isso. Perder a mãe é uma dor que beira o insuportável. Impossível julgar a atitude de uma filha diante de uma situação como essa. Fique em paz.

      Curtir

  32. Às vezes é tanta dor, tanta náusea, tanto sofrimento que a equipe e a família simplesmente não estão preparados.
    Vejo a distanásia em UTI mais como uma consequência da deficiência na formação dos profissionais de saúde para as realidades que se apresentam.
    O bom profissional de saúde, quando sai da faculdade, se refestela em ser o pau-pra-toda-obra de emergência, o recém-formado que fez ACLS, que faz e acontece nos procedimentos invasivos como intubação e acesso venoso central.
    O que os estudantes de medicina, cardiologistas, pneumologistas, intensivistas, etc, procuram em artigos científicos??? Estratégias para diminuir a mortalidade!
    Os cuidados paliativos são vistos como matéria de exceção para nichos específicos (geriatria, onco-hemato e em algum grau a neurologia mesmo para os recém-chegados ao mercado de trabalho).
    Na maioria das demais especialidades a experiência e os confrontamentos diários tornam o profissional mais preparado para discutir essas diretrizes de conforto e abandonar o raciocínio da mortalidade para a qualidade de vida.
    Eu chamaria da síndrome do “médico no cavalo branco” como um dos principais obstáculos associados a esse quadro de “UTI dos idosos”.
    Claro que o problema é bem mais complexo pois os próprios hospitais não oferecem unidades de cuidados paliativos (basicamente por questões de lucro frente aos planos de saúde) e também a discussão de paliação raramente deveria ser abordada em uma UTI… No mundo ideal, cuidados paliativos seriam iniciados no momento do diagnóstico de uma doença crônica irreversível e desenvolvido ao longo do tratamento e do desenvolvimento de sintomas que causem sofrimento.

    Curtir

  33. Perfeito. Concordo 100 por cento.
    Ronaldo

    Curtir

  34. Vi meu filho aos 29 anos partir. Ele se foi eu segurando sua mão e acariciando seus cabelos, eu com a voz embargada e o coração doendo, uma dor inexplicável dizia para ele partir,descansar que breve eu iria me encontrar com ele e assim foi. Por amar meu filho orei pedindo a Deus para leva-lo e assim aconteceu a passagem do Joaquim . Foram dois longos dias na UTI . Fico imaginando o sofrimento dos familiares e dos doentes que passam dias, meses anos em uma UTI. Vocês devem estar pensando o porque desse desabafo. Tudo isso para dizer que sou totalmente contra o prolongamento de uma vida, respeitando a forma de pensar e o sentimento de pessoas que pensam ao contrário, enfim sou totalmente a favor da ortotanásia

    Curtir

    • Fiquei muito emocionada lendo sua história, Celeste. Embora eu já tenha presenciado um número bastante significativo de mães perdendo seus filhos, acredito que essa talvez seja a perda com a qual tenho mais dificuldade de lidar, talvez por eu mesma ser mãe. Presenciar a devoção incansável dessas mães é, ao mesmo tempo, tão triste e tão profundamente bonito. Uma das histórias que descrevo no meu livro No Final do Corredor, chamada “A Hora Certa”, fala justamente sobre isso. Para mim, é como assistir ao amor se materializando em toda a sua magnitude. Sinto sua perda, receba meu abraço carinhoso, e minha admiração sincera. Bjo grande.

      Curtir

Deixe um comentário

Required fields are marked *.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: